sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

A Natureza Pede Socorro

A música "Natureza" foi muito tocada em 1987, devido a campanha "Verde Vivo: a Natureza pede socorro", da Rede Bandeirantes. 

Apesar de ser uma letra simples, a melodia propõe que façamos uma análise do nosso comportamento diante à natureza. Que futuro você deixará para os seus filhos? 

Assim, fiz este simples vídeo com a música. Espero que goste!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O Poder do Presente



É antigo o ditado popular que se os conselhos fossem bons, seriam vendidos. Hoje podemos dizer que se os livros de auto ajuda fossem realmente bons, não haveria tanta gente ainda sofrendo, pois são vendidos aos milhares. Mas como toda regra tem exceção, conselhos de pais e amigos são geralmente bons e dados. Os livros, dependem da capacidade  do autor e da boa vontade e atenção do leitor para extrair o melhor e colocar em pratica algumas lições.

“Todo ponto de vista parte de um ponto”(Frei Leonardo Boff); e podemos concluir que é  fundamental o ponto que podemos alcançar, realmente Ser e evoluirmos

Assim,  é  muito importante a lembrança do passado e de nossas raízes, que devem ser preservadas sempre, pois constituem a base, o início de nosso “Presente”.  Mas urge que tomemos consciência desse presente, aqui,  agora, do nosso verdadeiro Eu, pois é quando  a vida realmente acontece, em toda a sua essência e potencialidade.

Essa conclusão é muito bem retratada neste texto que compartilho, do escritor, estudioso e espiritualista, Eckhart Tolle, em o Poder do Agora e que tem sido comprovado pela ciência, filosofia e pelas  religiões em uma interpretação universal, holística e atual. 

O autor mostra com objetividade, como se encontrar e desenvolver  o “verdadeiro EU”, sua força e grandiosidade.(Obr. Cit. Pags. 75/76).

 “Como você provavelmente sabe, o ser humano se desloca constantemente entre fases do sono em que sonha e que não sonha. Da mesma forma, a maioria das pessoas, quando acordada, se alterna entre a inconsciência comum e a inconsciência profunda. Chamo de inconsciência comum essa identificação com os nossos processos de pensamentos e emoções, nossas reações, desejos e aversões. É o estado normal da maioria das pessoas. Nesse estado, somos governados pela mente e não temos consciência do Ser.” (negritei).

 “Não se trata de um estado de sofrimento agudo ou infelicidade, mas de um nível baixo e contínuo de desconforto, descontentamento, enfado ou nervosismo, como uma espécie de estática ao fundo. Talvez você não perceba muito bem essa situação porque ela já faz parte da nossa vida “normal”,  da mesma forma que você não percebe um barulho contínuo ao fundo, como o zumbido do ar-condicionado, até ele parar. Quando isso acontece de repente, ocorre uma sensação de alívio.

‘... Muitas pessoas usam a bebida, as drogas, o sexo, a comida, o trabalho, a televisão, ou até mesmo o ato de fazer compras como anestésicos, em uma tentativa inconsciente para acabar com esse desconforto básico. Quando isso acontece, uma atividade que poderia ser muito agradável, se feita com moderação, passa a ter um componente ou dependência, e tudo o que se obtém sob essa influência traz uma sensação de alívio por um período extremamente curto.

...A sensação de desconforto da inconsciência comum se transforma no sofrimento da inconsciência profunda ou seja, um estado de sofrimento ou infelicidade maia agudo e mais perceptível quando as coisas ”vão mal“ quando o ego é ameaçado ou quando existe um desafio maior, tal como um perda real ou imaginária em nossa situação de vida, ou um conflito numa relação.

...A violência física não aconteceria sem o estado de inconsciência profunda..” ...

...Portanto, é fundamental colocar mais consciência em sua vida durante as situações comuns, quando tudo está correndo de modo relativamente tranqüilo.

É assim que aumenta o poder de presença. Ele gera uma campo energético de alta freqüência vibracional em você e ao seu redor. Nenhuma inconsciência, nenhuma negatividade, nenhuma discórdia ou violência pode penetrar nesse campo e sobreviver, do mesmo modo que a escuridão não consegue sobreviver na presença da luz”.(original sem negritos)

É o que desejo para todos e que só depende de nossa compreensão, boa vontade e ação.

Ronald Lins Peixoto

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Entendendo o sucesso de “Avenida Brasil”




A novela Avenida Brasil, da Rede Globo, sem dúvida é um sucesso nas Redes Sociais. Muito comentada no Twiiter no seu horário de exibição e constantemente citada no Facebook, com montagens e brincadeiras. Até a publicidade convencional se curvou ao sucesso da trama, citando a história para que as pessoas possam usar mais o metrô para chegar mais rápido em casa e, assim, assistir à novela. Isso em São Paulo.

O CD internacional está na lista dos mais vendidos e personagens como Carminha, Nina, Tufão e Cia, estão no linguajar cotidiano. Sem dúvida, há muito tempo não se via tanta repercussão em uma novela das nove. A audiência, com certeza, vai bem. Mas não é um estrondo. Raros capítulos chegam a ultrapassar os 40 pontos. A antecessora, Fina Estampa, ultrapassava com mais folga esse número.

Mas eu ainda estou querendo entender o sucesso de Avenida Brasil. Sem dúvida é uma linguagem nova, que o autor João Emanuel Carneiro trouxe, e se assemelha um pouco aos bons seriados americanos. A dose de suspense e mistério está bem representada pelas atrizes Adriana Esteves e Débora Falabella. O núcleo cômico é às vezes cômico, mas está na novela para amenizar a tensão dos capítulos. Situação que faltou em A Favorita, do mesmo autor, que inovou no horário ao trazer a vilã/psicopata Flora (Patrícia Pillar).

Sempre escuto críticas a favor e contra. E uma delas que incomoda muita gente é o excesso de maldade, violência e gritaria. Bom: maldade é um dos pilares de uma história, mas se chega a incomodar alguns é porque talvez haja um exagero. Outra crítica é interessante: fala-se que o núcleo do Divino fala muito alto. E isso é verdade. Às vezes abaixo o volume da TV ou coloco no mudo, quando os personagens começam a falar juntos e gritando. Mas, também, não deixa de serem engraçadas algumas cenas. Acho que depende do seu humor no dia...

Há muito tempo que as novelas da Globo sofrem com a pouco inovação na história e são os bons e consagrados atores que seguram essas tramas nas costas. Apesar de Avenida Brasil ter inaugurado uma nova estrutura de telenovela, o tema vingança não é uma novidade. E essa “picuinha” entre as protagonistas já está se esgotando e cansado. Se Avenida Brasil fosse uma minissérie, com certeza a história seria bem ágil e mais atraente.

Enfim, a novela da Nina e da Carminha é um sucesso. Há boas cenas para serem lembradas e comentadas pelos fãs de folhetim. Mas, definitivamente, ainda está longe do patamar das saudosas histórias dos anos 70 e 80. E cito, só para exemplo, as que usufruíam a crítica social: Roque Santeiro, Vale Tudo e Que Rei Sou Eu? E as novelas que nos brindavam com um universo mais lúdico: Tieta, Renascer e Saramandaia.

Enfim, agora é acompanhar o desfecho do embate Carminha X Nina enquanto zapeamos outros programas na TV a cabo. Ou lemos um bom livro.  

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Quero o direito de me sentir triste

Quero ter o direito de me sentir triste e quero vivenciar isso. Quando eu era criança, adolescente tinha dias que eu estava completamente triste. Nesses dias, ficava pensativo, tentando entender onde eu errei, onde eu acertei e onde eu deveria mudar. Ora, para ficar pensativo, querer me entender, eu tinha que está “pra baixo”, triste... Não, não era depressão. Aliás, tudo hoje é depressão...

Quero ter o direito de me sentir triste para resgatar a alegria, o otimismo e a vontade de viver e vencer. A primavera só chega depois de um inverno e o verão só nos aquece depois das flores desabrocharem na primavera. Quero ter o direito de me sentir triste para recusar tomar anti-depressivos, remédios naturais para isso ou para aquilo, vitaminas... Quero trabalhar a minha tristeza e pronto! Sem muitos milagres e falsas promessas.

Quero ter o direito de me sentir triste para amanhã eu acordar feliz e vivenciar cada minuto da minha vida. Sentir que é natural os dois estados de sentimento e que precisamos entendê-los, pois são eternamente passageiros...

Não quero fingir felicidade nas Redes Sociais, no trabalho e no dia-a-dia, quando estou em um momento em que a tristeza é primordial para me restabelecer, me convidar para uma mudança prática. Pensar nos velhos e novos valores, repensar na ética esquecida e na verdadeira inocência e coerência de uma criança.

Enfim, quero ter o direito de me sentir triste sem nenhuma demagogia e, muito menos, para ter olhos contemplativos e penosos para comigo. Quero à noite refugiar em minha cama, nas minhas palavras e nas minhas ideias para reconstruir cada amanhecer. Só assim, saberei quem eu sou e qual a minha verdadeira missão como homem, filho de Deus.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Resiliência: a chave para o sucesso


Essa qualidade, que faz de nós profissionais mais criativos e hábeis para solucionar problemas, é apontada como a principal competência para enfrentar os desafios do século XXI

A palavra tem sonoridade estranha e significado pouco conhecido, mas pode fazer a diferença na sua carreira. Já o conceito é emprestado da física: é a capacidade que alguns materiais têm de retornarem ao estado normal depois de submetidos à tensão máxima.
No ambiente profissional, podemos definir resiliência como a capacidade de resistir às adversidades e reagir diante uma nova situação em momentos de pressão ou difíceis, e é uma qualidade essencial para enfrentar os desafios desta primeira metade do século XXI.
Uma pesquisa realizada pela Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV) mostrou que o nível de resiliência de um profissional é determinado por nove fatores: autoeficácia, solução de problemas, temperança, empatia, proatividade, competência social, tenacidade, otimismo e flexibilidade mental. Cada um deles contribui de maneira diferente no enfrentamento de problemas e tomada de decisões.
A boa notícia é que a resiliência pode ser desenvolvida, principalmente em situações que testam os limites do profissional. Conheça os nove fatores da escala da FGV de resiliência e como adquirir cada uma.

1 – Autoeficácia

É a capacidade que o indivíduo tem de organizar e executar as tarefas para produzir os resultados desejados. Para desenvolvê-la é necessário tomar consciência do conceito que faz de si mesmo e identificar o padrão habitual de atitudes. A psicoterapia e a realização de projetos de forma sistêmica podem ajuda-lo a perceber melhor as situações.

2 – Competência social

É a capacidade de buscar apoio externo em momentos de estresse. Os treinamentos de desenvolvimento de liderança, comportamento ético e melhoria de relações contribuem para o aprimoramento da competência.

3 – Empatia

É a habilidade de colocar-se no lugar do outro, essencial tanto na competência social quanto na solução de problemas. Para desenvolver o aspecto, ao ler um livro ou assistir a um filme, observe a psicologia e tente se imaginar no lugar dos personagens.

4 – Flexibilidade

É a capacidade de pensar opções e agir e, se não der certo, escolher outra opção e persistir. Atividades que desenvolvem a flexibilidade do corpo, como ioga ou dança de salão, também contribuem para a flexibilidade da mente. Cursos que permitem “pensar fora da caixa” e estimulam a criatividade também são recomendados.

5 – Tenacidade

Trata-se da capacidade de aguentar situações difíceis e incômodas e não desistir facilmente. A prática de esportes aprimora a disciplina e expõe os limites do corpo, contribuindo para o desenvolvimento da qualidade.

6 – Solução de problemas

É a atitude de diagnosticar a questão, planejar possíveis soluções e agir, sem perder o controle das emoções. Jogos de estratégia ajudam a desenvolver esse fator, mas a melhor escola é mesmo a dedicação diária para colocar projetos pessoais e profissionais de pé.

7 – Proatividade

Refere-se à propensão a tomar iniciativas em busca de soluções novas. A orientação de profissionais mais experientes pode ensinar como agir e dar respostas certas.

8 – Temperança

Significa administrar a impulsividade e a raiva, controlando as emoções e mantendo a serenidade em momentos difíceis. Diante da situação, medidas paliativas como ouvir uma música ou sair para beber uma água são válidas. Para desenvolver a qualidade, exercícios físicos, meditação e psicoterapia.

9 – Otimismo

É ter uma atitude positiva da vida. Na resiliência, é o resultado da união da competência social, da proatividade e da autoeficácia.
Fonte: Exame

Emoções, Paixões, Certo e Errado




.           O que realmente será o certo ou errado ou a emoção certa e em quais circunstâncias ocorrem, como já observava Aristóteles, há mais de dois mil anos? Muitos dirão que não existe o certo ou errado, pois que tais conceitos são relativos. Sim, mas como em diversos campos da atividade humana, esta simples conclusão generalizada não impede tais definições ainda que relativamente.

“Quando as emoções são abafadas demais, criam o embotamento e a distância; quando descontroladas, extremas e persistentes demais, tornam-se patológicas, como na depressão paralisante, na ansiedade esmagadora, na raiva demente e na agitação maníaca.” (Daniel Goleman, Inteligência Emocional “(orig.sem negritos).”).

Se temos a consciência de que, com todos os obstáculos e sofrimentos, a vida pode  proporcionar a plenitude da realização humana, de forma saudável, prazerosa e a própria felicidade, então vale defende-la e preserva-la com ardor, para ser vivenciada intensamente e com o equilíbrio necessário. Assim, tudo que nos proporciona tal modo de viver e, ao mesmo tempo, preserve a nossa integridade física, psicológica e emocional, constiruirá um modo adequado e necessário de agir, de viver, o certo, para a finalidade que desejamos. O contrário, logicamente, em regra geral, com as consequências negativas e prejudiciais que poderá causar, será o errado. Parece-me que esta realidade é a que o mínimo de cultura, de bom senso e de inteligência desenvolvida nos leva a concluir, compreender, desejar e praticar.  Por Ronald Lins Peixoto.


quarta-feira, 25 de abril de 2012

Uma bela poesia...


Canção do Exílio
(Gonçalves Dias)



Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.


Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Introspecção

Por que eu estou aqui? Lendo este escrito? Eu não quero ser poeta. Eu não quero ser injusto. Eu não quero representar. Silêncio! Vocês que ai estão, olhem aos seus redores... Vejam quantas pessoas unidas por um objetivo. A vida. Vocês ouvem a minha voz.... Mas esquecem da arte do viver.

 Agora, silêncio.... Ouçam lá fora o clamor de socorro, sintam o frio nos olhares lacrimejados de esperanças sintam a fome na comunhão escassa E olhem para estas pessoas. Elas se despendem de nós... a cada instante, da vida. Escutem.... Meu Deus! Quero um agasalho. Escutaram? Não?! Então escutem o seu interior. Fecham os olhos, imaginem um lugar lindo e vejam as pessoas felizes. O seu interior não é utópico, é real. É só sentir a minha mão.

Somos um só. Sintam o meu abraço. O meu coração. Estou vivo. E posso te abraçar e dizer que te amo. É maravilhoso, viver. Mas ouço.... Meu deus! Quantas pessoas chorando, querendo este abraço. Vamos, vamos. Rápidos.. Todos levantem as mãos, por favor, levantem as mãos. Transmitimos a paz e o aconchego de que elas precisam. É o início. Vamos aplaudir essa energia que nos conduz agora. Aplausos. E que a esperança nos conduza à solidariedade humana.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Hoje me deu saudade...

Hoje me deu saudade do meu rosto com espinhas, bigode fino, voz grossa ora fina, turminha da praça ( não era virtual), bicicleta no vento, cheiro de pão à tarde, Escolinha do Professor Raimundo nos fins da tarde, Repolho me abraçando, ler um livro da série Vaga-Lume, escrever um romance, sonhar ouvindo uma música, esperar pelas férias de julho.

Saudade do cheiro de café torrado de Piranga, de brincar no quintal, subir na árvore, ver a Lua e as estrelas. De comprar um doce na venda da esquina, trocar figurinha do Ping e Pong, cantar inglês sem vergonha de errar a letra e a pronúncia, de deitar na rede e descobrir mil pulos na piscina. Dormir cansado e esperando para fazer tudo de novo no outro dia...

Saudade boa dimais, sô!!!
 
 

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Currículo



ALEXANDRE LANA LINS PEIXOTO




Idade: 40 anos    

E-mail: alexandre@lanns.com.br


FORMAÇÃO ACADÊMICA

Ø  Bacharel em Comunicação Social – Jornalismo pelo Centro Universitário Newton Paiva (Jul/2008)
Ø  4º período do curso de Letras pela Universidade Newton Paiva (Trancado)
Ø Ensino Médio: Colégio Salesiano – Belo Horizonte - MG

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Ø  Aulas Particulares de Português – até o momento.

Ø  Assessor de Imprensa – Centro Mineiro de Alianças Intersetoriais (CeMAIS)  – (Junho de 2013 – Junho de 2014). Assessoria de Imprensa e produção de reportagens nas cidades atendidas por programas do Governo de Minas Gerais. Assessoria de Imprensa no 10º. Encontro Nacional do Terceiro Setor, realizado pelo CeMAIS, FUNDAMIG E CAO-TS.

Ø  Assessor de Comunicação – Câmara dos Deputados – (2010 a 2011). Assessoria de comunicação, elaboração de notícias e publicação em sites, manutenção de redes sociais e clipping.

Ø  Assessor de Imprensa - Toaí Tecnologia e Informação – (2008 a 2009) - Assessoria de imprensa, participando da concepção e elaboração do “Toaí”, uma rede social baseada na localização de amigos, via mensagem de texto de celular (SMS). Planejamento e coordenação das ações promocionais, acompanhamento das mídias sociais, elaboração de releases e redação.

Ø  Redator e Assessor de Imprensa - Javí Publicidade e Propaganda (2006 a 2008) - Redação e revisão de peças publicitárias, informativos, releases e jornais internos.

Ø  Consultor e Assessor de Comunicação – Rede Salesiana de Escolas (2006 a 2008) - Organização e atendimento das duas primeiras campanhas nacionais de comunicação e publicidade da rede, que possuía 110 escolas em todo o Brasil. Implantação de um modelo de diagnóstico e desenvolvimento do plano de comunicação, que foi aplicado em oito escolas nos Estados de MG, RJ e DF

Ø  Professor de Português - Escola de Reforço Full Time – (2005) - da 5a série do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio.

OUTRAS ATIVIDADES

Ø  Assessoria de imprensa no 7º. Salão do Livro.
Ø  Assessoria de Imprensa do IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária) em evento com parceira do Centro Universitário Newton Paiva.
Ø  Estágio na Central de Jornalismo do Centro Universitário Newton Paiva, realizando pautas, entrevistas e a redação final dos jornais do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e jornal do Curso de Comércio Exterior;
Ø  Estágio em Assessoria de Comunicação no SEBRAE (2004 – 2005);
Ø  Apresentador no vídeo "Lições do Tempo" produzido pelo Sistema Salesiano de Vídeo;
Ø  Apresentação do programa “Blog da Vez” na Rádio Elo FM 87,9;
Ø  Participação e atuação no campo de formação de voluntários do VIDES Brasil, em julho de 2005;
Ø  Apresentação do vídeo institucional do VIDES Brasil (www.vides.org.br).
Ø  Artigos publicados no jornal Estado de Minas e Comunique-se.


CURSOS

Ø  Relacionamento com Públicos Prioritários e com os Meios de Comunicação – FUMSOFT – FINEP;
Ø  Como Escrever um Bom Release, Comunique-se - Curso de Assessoria de Imprensa, Projeto Tempo Real – Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais;
Ø  Curso da Arrancada para a Qualidade (ISO 9001);
Ø  Gestão Estratégica para Resultados – SEBRAE - MG;
Ø  Jornalismo e a Construção da Identidade Brasileira – Centro Universitário Newton Paiva;

INFORMÁTICA

Ø  Bons conhecimentos de Windows, pacote Office, Internet e redes sociais.